24.90€ 17.50 
Valor mínimo para apoiar este livro
11
Apoiantes
153
Apoiantes Necessários
Titulo Ficção Curta Completa
Autores Herman Melville, Virgílio Tenreiro Viseu (Tradutor)
Género
Colectânea
Proposto por
Hugo Xavier
Editor
Hugo Xavier
Formato
15,5x23,5cm
N.º Páginas Estimado
600
Data Estimada
Setembro/Outubro de 2017
Um volume que recolhe obras-primas incontornáveis da literatura universal como «Billy Budd», «Bartleby, o escrivão» ou «Benito Cereno» com dezenas de contos e novelas totalmente inéditos em língua portuguesa.
«Herman Melville foi um autor essencialmente ignorado no seu tempo porque a sua escrita não era para o seu tempo. Hoje é reconhecido como um dos nomes mais importantes da Literatura de todos os tempos.» Alfred Kazin in The New York Review of Books

Neste volume recolhe-se pela primeira vez em língua portuguesa toda a ficção curta de um dos autores mais importantes da literatura universal: Herman Melville. Se é certo que qualquer leitor reconhecerá o autor do romance «Moby Dick», poucos serão os que não tenham lido contos e novelas incontornáveis e como «Billy Budd, marinheiro», «Bartleby, o escrivão» ou «Benito Cereno».

A ficção curta de Melville é, como a sua escrita em geral, de projecção universal: os seus temas, os seus personagens e a sua escrita são transversais às mais diferentes culturas e fazem dele um dos mais marcantes escritores de língua inglesa.

Esta recolha junta perto de três dezenas de textos, dos quais mais de metade são pela primeira vez publicados em língua portuguesa.

«Nenhum autor alguma vez conseguiu apresentar ao leitor a Realidade como o faz Melville mesmo quando os seus livros são fantasiosos. […] Melville merece a imortalidade bem mais do que muitos de nós.» Nathaniel Hawthorne

«O romancista americano por excelência.» New York Times

«O maior escritor que este país viu e deixou cair no esquecimento: Herman Melville.» Mark Twain

«Não há uma linha dos seus textos que soe a verdade e, no entanto, tudo na sua obra é verdade.» Joseph Conrad

«Tanto podia escrever sobre a vida de marinheiros como o bulício das cidades com o puro génio dos grandes escritores.» D. H. Lawrence

«Os temas de Melville são universais, por muito que o meio e a época que descreve sejam localizados. É isso que faz com que seja um dos grandes clássicos da literatura universal mais do que o é no espaço da literatura americana.» Harold Bloom

«Um dos mais originais e poderosos escritores americanos.» Massachusetts Republican

«No seu tempo foi um escritor ignorado, mas hoje Melville é reconhecido como um dos mais importantes nomes da literatura universal.» The Guardian
Herman Melville (1819-1891) foi um dos mais importantes romancistas da literatura norte-americana; foi também contista, ensaísta e poeta, com mais de 30 obras publicadas.
Melville, cujo nome qualquer leitor reconhece de «Moby Dick», a história da perseguição à grande baleia branca, nasceu no seio de uma família de grande prestígio, mas com grandes dificuldades económicas, que os pais esconderam a Herman e aos seus sete irmãos. O pai sofria de desequilíbrios emocionais graves e havia na família divergências religiosas. Herman e os irmãos acompanharam os pais para várias cidades americanas sempre que estes tentavam refazer a sua vida, e a sua educação foi feita em diversas escolas.

Teve vários trabalhos em escritórios e lojas, e de 1839 a 1844 foi marinheiro embarcado em diversos navios. Nos cinco anos que se seguiram publicou grande parte dos seus livros, inspirados na sua experiência marítima, e viu a crítica e sobretudo o público reconhecer-lhe os méritos.
Inicia uma correspondência e amizade profícuas com o escritor Nathaniel Hawthorne e publica a sua obra-prima «Moby Dick» em 1851 (primeiro em Inglaterra e só depois nos Estados Unidos).

A partir desses anos, Melville, que casara e planeara viver da escrita, cai no esquecimento do público e até ao fim da vida tem de aceitar diversos trabalhos para sobreviver. Só após a sua morte, e aquando do centenário do seu nascimento, é que a crítica redescobre o autor e o seu génio e Melville passa a integrar o panteão dos grandes nomes das letras universais.
Sem informação.
Sem informação
Venha construir esta editora connosco