18.90€ 13.10 
Valor mínimo para apoiar este livro
4
Apoiantes
128
Apoiantes Necessários
Titulo Babbitt
Autor Sinclair Lewis
Colecção
E-primatur
Género
Romance
Proposto por
Acir Meireles e Hugo Xavier
Editor
Hugo Xavier
Formato
15,5x23,5cm
N.º Páginas Estimado
400
Data Estimada
Fevereiro/Março de 2018
Notas
O romance que definiu a vida urbana das sociedades modernas como a América a exportou para o mundo.
«Babbitt» é um dos 100 melhores romances escritos em língua inglesa (The Guardian).

Na altura da sua publicação, «Babbitt» foi considerado um romance atroz, sem enredo, em que o autor se especializava em criar personagens desagradáveis.

Na realidade, o prémio Nobel Sinclair Lewis antecipava o desligamento social da vida nas grandes cidades, a perda de valores, a incapacidade da comunicação, o viver para a imagem e não para a essência.

A vida de George F. Babbitt (apelido que passou a fazer parte do vocabulário dicionarizado do inglês norte-americano) é traçada em pequenos quadros, episódios e anedotas que formam um todo coerente na sua incoerência: dois anos de uma vida. Babbitt é o vendedor imobiliário cuja grande preocupação, deixar uma boa impressão, é o lema da sua vida. Babbitt não é fiel aos seus valores e ideais, é sim fiel aos dos que o rodeiam.

«Babbitt representa tudo o que de mal há na sociedade americana.» H. L. Mencken
 
Sinclair Lewis (1885-1951) foi romancista, contista e dramaturgo e o primeiro norte-americano galardoado com o Prémio Nobel da Literatura.
Grande observador da sociedade e dos seus tipos, Lewis deixou uma extensa obra, na qual retrata o seu país, tecendo duras críticas a um materialismo e capitalismo dominantes, sobretudo no período entre-guerras.

É também reconhecido como um dos primeiros escritores americanos a preocupar-se com questões sociais, como as diferenças de tratamento dos sexos no meio laboral, tendo dado grande atenção à figura da mulher operária.

Desencantado com o seu país e a sua falsa moral, Lewis tornou-se crítico do establishment intelectual, político e moral, tendo percorrido o país como conferencista e criticando a apatia social. Ao receber o Prémio Nobel vincou, no seu discurso, essa mesma insatisfação. Uma insatisfação que o levou à bebida. Morre em 1951 de vários problemas derivados do alcoolismo.

As suas obras foram adaptadas com grande sucesso ao cinema.
Sem informação.
Impresso em Papel Snowbright com certificado ambiental.
Venha construir esta editora connosco