14.90€ 10.62 
Valor mínimo para apoiar este livro
3
Apoiantes
94
Apoiantes Necessários
Titulo O Lugre
Autores Bernardo Santareno, Ana Paula Medeiros (Introdução), Álvaro Garrido (Introdução)
Género
Teatro
Proposto por
Álvaro Garrido
Editor
Hugo Xavier
Formato
13x20cm
N.º Páginas Estimado
192
Data Estimada
Setembro / Outubro de 2019
ISBN
978-989-8872-31-9
Notas
Baseado nas experiências de Santareno como médico na frota bacalhoeira portuguesa na Terra Nova.
Uma das mais importantes e marcantes peças de teatro do século XX. Era considerada pelo actor Nicolau Breyner como a melhor peça de teatro do século.

«O lugre» constitui-se como um épico que narra o gigantismo dos feitos dos pescadores portugueses nos mares do norte. O confronto entre o homem e a natureza em plena força realça os valores humanos.

A peça baseou-se nas experiências do autor e nas histórias que lhe foram contadas pelos marinheiros com quem se cruzou. Bernardo Santareno criou um dos mais punjentes e poderosos textos da literatura portuguesa traçando nos diálogos e na acçáo a vida dura de quem era obrigado a arriscar tudo para subsistir.

A peça foi levada dezenas de vezes ao palco em Portugal e no estrangeiro e foi também adaptada para teatro televisivo estando a ser rodadas uma série e um filme inspirados na obra.
Bernardo Santareno (1920 — 1980) é considerado o maior dramaturgo português do século XX.
Bernardo Santareno, pseudónimo literário de António Martinho do Rosário (Santarém, 19 de Novembro de 1920 — Oeiras, 29 de Agosto de 1980) é considerado o maior dramaturgo português do século XX.

Formado em Medicina psiquiátrica, Bernardo Santareno rapidamente conciliou a sua profissão de médico com a de escritor. Primeiro poeta, autor de três livros e mais tarde, em muito influenciado pelas experiências como médico da frota bacalhoeira portuguesa na Terra Nova e Gronelândia que incluiria no seu único livro de narrativas, «Nos mares do fim do mundo», dedicou-se ao teatro.

Da sua obra teatral destacam-se «A promessa», «O lugre», «O crime da aldeia belha» ou «O judeu»; a primeira foi retirada de cena por pressões da Igreja Católica junto do governo salazarista.

Várias das suas obras foram adaptadas ao cinema e a telefilmes.
Sem informação.
Impresso em papel Snowbright com selo ambiental
Venha construir esta editora connosco