10.00€9.00€
Titulo A Cacatua Verde
Autores Arthur Schnitzler , Frederico Lourenço (tradutor)
Colecção
Textos de teatro
Género
Teatro
Proposto por
TNDMII
Editor
José Carlos Alfaro
Formato
13 x 20 cm
N.º Páginas
80
ISBN
978-989-8349-15-6
A Cacatua Verde é, aparentemente, uma peça histórica: a acção desenrola-se na noite de 13 para 14 de Julho de 1789, numa cave dos arredores de Paris.
Prospère, um antigo director de teatro, abriu uma taberna – a Cacatua Verde –, onde a sua companhia finge que não faz teatro e cria a ilusão de uma verdadeira taberna de marginais, possibilitando aos nobres que a visitam a sensação de um contacto, sem perigo, com o povo e com os excitantes episódios das suas vidas violentas. A profunda ironia, própria de toda a obra de Schnitzler, torna a peça quase numa comédia em que o próprio teatro entra em jogo, antecipando os temas caros a Pirandello. Com leveza e elegância, e num único acto de uma economia exemplar, Schnitzler desenha um teatro de sombras da própria Revolução que é um prodígio de ironia na revelação da profunda complexidade do real.
Arthur Schnitzler (1862-1931) é um dos maiores nomes da literatura germânica.
Poeta, romancista e dramaturgo, filho de um conceituado médico judeu de Viena, Arthur Schnitzler (1862-1931) chegou a combinar o exercício da medicina (especializou-se em Cirurgia na Universidade de Viena) com a literatura. Alvo de contestação, sobretudo na Alemanha e na Áustria, devido à dimensão erótica presente em algumas da suas obras, acabou por ser considerado pela crítica
europeia o equivalente literário de Sigmund Freud. Obteve, no entanto, alguma aclamação pela apologia da interpretação do inconsciente e do subconsciente, tendo mesmo chegado a escrever uma tese sobre o tratamento hipnótico das neuroses. Com mais de uma centena de livros escritos, Schnitzler possui uma das mais extensas produções da literatura em língua alemã.
Sem informação.
Sem informação
Venha construir esta editora connosco