16.90€ 12.12 
Valor mínimo para apoiar este livro
48
Apoiantes
141
Apoiantes Necessários
Titulo Metrópolis
Autores Thea von Harbou, Vanda Inácio Gomes (tradutora)
Colecção
Livro B
Género
Romance
Proposto por
Hugo Xavier
Editor
Hugo Xavier
Formato
12x21cm
N.º Páginas Estimado
320
Data Estimada
Outubro de 2021
Notas
Pela primeira vez em Portugal, um dos primeiros grandes romances distópicos do século XX que deram origem a um filme mítico.
No ano de 2026, a cidade de Metrópolis é uma potência no domínio da tecnologia e da qualidade de vida. Os seus habitantes alternam sucessivamente diversas experiências, numa existência animada feita de trabalhos leves, muita cultura, ciência e também devassidão.
Mas a grande cidade vive dos trabalhadores do submundo, os seres que geram energia e são a força de trabalho que mantém a aparência imaculada de Metrópolis. Assim, estas duas classes sociais absolutamente separadas caminham para um confronto. Pelo meio há uma história de amor impossível, robots, clonagens e muitas invenções que antecipam o futuro.

Publicado originalmente em 1925 em folhetim, ao mesmo tempo que a sua autora, então esposa de Fritz Lang, escrevia o argumento do filme, aparece em formato de livro em 1926, um ano antes da esteia do filme que veio a tornar-se um dos maiores clássicos do cinema, com uma actualidade cada vez maior.

Edição ilustrada com fotogramas do filme.

«É uma obra notável que se aproxima da carga dramática das obras de Karel Capek ou das obras pioneira de H. G. Wells, cujo tratamento literário é um dos exemplos mais brilhantes da literatura expressionista. [...] Metrópolis é um dos romances mais poderosos que já li.»
                                                                                                                Michael Joseph in Bookman
Thea von Harbou (1888-1954) foi uma escritora, argumentista, actriz e realizadora alemã.
Criança prodígio, criada no seio de uma família aristocrática e de funcionários públicos, estudou com tutores privados. Aos 13 anos, lia em diversas línguas e já tinha publicado histórias e um livro de poemas.

Mas Thea era uma rapariga moderna e queria ganhar a vida. Contra a vontade do pai começou a trabalhar como actriz sem nunca deixar de escrever e publicar. Casou-se muito jovem, aos 18 anos, durante a Primeira Guerra Mundial. Autora de dezenas de argumentos de alguns dos filmes mais importantes do expressionismo alemão, colaborou com o seu segundo marido, Fritz Lang, mas também com F. W. Murnau, Carl Dreyer ou E. A. Dupont.

Depois do seu divórcio de Lang, que, entretanto, tinha começado a perseguir jovens actrizes, Thea apaixona-se e casa-se secretamente com um estudante indiano a residir então na Alemanha. O casamento teve de ser secreto porque o partido nazi não permitia a união de uma ariana com um homem de pele mais escura. Nunca deixou a Alemanha mesmo durante o período nazi. Realizou dois filmes, mas não gostou da experiência, preferindo continuar a trabalhar como argumentista das películas de propaganda do regime.

No pós-guerra, foi feita prisioneira. Embora muitos a acusassem de simpatias nazis, Thea afirmou ter continuado a trabalhar para ajudar secretamente imigrantes indianos como o seu marido. Entre 1945 e 1946 trabalhou nas ruas a recolher entulho.

Anos mais tarde foi reabilitada e o cinema alemão prestou-lhe homenagem, mas Harbou estava já muito debilitada e viria a falecer aos 65 anos, tendo escrito até aos últimos momentos de vida, ditando na cama no hospital.
Sem informação.
Nuno Fonseca
Impresso em papel Palago 80g.

Composto na tipologia Korinna.

Se gostou deste livro também vai gostar de...

Venha construir esta editora connosco