24.90€ 17.98 
Valor mínimo para apoiar este livro
56
Apoiantes
188
Apoiantes Necessários
Titulo Ainda ontem
Autores Samuel Joseph Agnon, Lúcia Liba Mucznik (tradutora)
Género
Romance
Proposto por
Lúcia Mucznik e Hugo Xavier
Editor
Hugo Xavier
Formato
15,5x23,5cm
N.º Páginas Estimado
660
Data Estimada
Outubro de 2022
Notas
A obra-prima do Prémio Nobel israelita traduzida pela primeira vez em Portugal.
No começo do século xx, judeus de toda a Europa, pressionados pelas convulsões políticas e pela Primeira Guerra Mundial, arriscam tudo e seguem o movimento sionista que os impele para o regresso a Israel.

Publicado originalmente em 1945, este romance épico segue o percurso do jovem Isaac Kumer, desde a pobreza que vive na Galícia-polaca (então Império Austro-húngaro) até chegar à Palestina, uma saga sobre o difícil confronto entre o sonho e a realidade.

Agnon utiliza um estilo único, que recria a linguagem das histórias da Bíblia, conferindo assim à narrativa uma carga quase mitológica que prende o leitor ao desenrolar dos acontecimentos.

Com uma ironia suave e uma profunda reflexão sobre a existência humana, Isaac tenta repetidas vezes, e através das mais diversas formas, alterar o rumo da sua vida, mas dá por si sempre na posição contrária àquela que pretende.

A tradução, do hebraico, é de Lúcia Liba Mucznik.

«O desejo de uma religião antiga, com aspirações políticas modernas e sonhos pessoais de liberdade cruzam-se neste romance... Ao contrário de muitos pioneiros que largaram tudo para construir uma vida nova em Israel, Agnon tentou levar toda uma vida a fazê-lo. Por isso, a sua escrita está cheia de referências e é imensamente alusiva. E este é um dos triunfos da prosa de Agnon... O Autor é assombrado por uma mistura de vergonha e de orgulho por ser um intelectual numa terra de agricultores, um escritor numa nova cultura fundada sobre um sonho de labor físico. Estes e outros paradoxos fizeram de Agnon um dos grandes escritores modernos.» – Jonathan Rosen, New York Times Book Review

«Um triunfo gigantesco. A par da Dublin, de Joyce, ou da Berlim, de Döblin, Agnon oferece-nos a história de duas cidades: a Jaffa secular, um centro cultural e comercial, e a sagrada Jerusalém, massacrada pela poeira, pela pobreza e pela seca, lar da mais simples das fés e do mais fanático dos extremismos.» – Morris Dickstein, Times Literary Supplement

«Agnon criou a linguagem da moderna literatura hebraica... O seu romance tem uma qualidade folclórica análoga às atrevidas simplificações de Chagall, desvelando os resíduos arcaicos que assombram o superficial desencanto com a modernidade.» – Publishers Weekly

«Os críticos adoram interpretar e descodificar Agnon, cujo universo literário e mitológico se tem revelado alimento para inúmeras teses, ensaios, artigos e livros. [...] Surge agora a tradução da sua obra-prima, um romance imenso, vasto, com um duplo enredo, cripticamente simbólico...» – Susan Miron, The Philadelphia Inquirer

«Uma visão dilacerante de Deus e do homem, do Sionismo e da histórica judaica, do desejo e da culpa, da linguagem e do significado. Um romance que merece ser comparado a O Processo, de Kafka.» – Robert Alter, Los Angeles Times Book Review
 
«Esta é uma das obras centrais da moderna cultura judaica, fascinante e cativante.» – Alan Mintz, The Forward
 
«Há lampejos de observação humana aguçados como uma faca... mas também há deleite, tristeza, asco, sobranceria, piedade, crueldade e toda uma panóplia de outras mais emoções e estados de espírito tão opostas quanto confluentes. Este é claramente uma obra apaixonada.» – Dan Jacobson, The New York Review of Books

«Um romance que parece um saco de gatos: imenso, cheio de clarividência e poesia, com propensão para um certo surealismo, para não dizermos, para a mitologia, minucioso e até precioso no seu estilo, discursivo, e todo ele relatado com tal mestria e inteligência que abre, para os que nele a procurem, um universo de interpretações, e, para os que buscam uma narrativa mais linear, também lá a possam encontrar.» – David Pryce-Jones, The Spectator

«Uma obra prima do picaresco pelo prémio Nobel que é, muito provavelmente, o maior narrador da língua hebraica. Um dos melhores romances do século XX.» – Kirkus Reviews

«O épico brilhante sobre a busca da Terra Prometida empreendida por um homem simples. A obra é tão rica e significante, tão real e ao mesmo tempo estranha, que, apesar de figurar no cânone das grandes obras do século XX, não surpreende que ninguém tivesse ainda aceite o tremendo desafio de a traduzir.» – Tova Reich, Washington Post Bookworld

«O romance é povoado por personagens cativantes e pleno de episódios espantosos. O seu estilo é único e irresistível.» – Gerald Kaufman, Sunday Telegraph

«Ainda Ontem foi publicado originalmente em 1945 mas continua a ser tão pertinente hoje como nessa altura.» – Alexander Zvielli, The Jerusalem Post
Samuel Joseph Agnon (1888-1970) foi um romancista e contista israelita. É considerado um dos fundadores da moderna literatura hebraica; recebeu o Prémio Nobel da Literatura.
Nascido na Galícia polaca, então pertencente ao Império Austro-húngaro, Agnon não frequentou a escola, tendo sido ensinado pelos pais (oriundos de diferentes correntes religiosas dentro do judaísmo). Aos 15 anos publicou o seu primeiro poema, ao qual se seguiram muitos outros, escrevendo também contos que vêem a luz do dia em jornais e revistas da Galícia. 

Em 1908 muda-se para Jaffa, então parte do império Otomano, tal como muitos judeus mobilizados pelo espírito sionista. Aí, continua a publicar na imprensa.

Muda-se para a Alemanha em 1913, onde se casa e prossegue a sua carreira de escritor conseguindo, pela primeira vez, viver do seu trabalho literário. Escreve em hebraico e em iídiche. Em 1924, após um incêndio que destrói a sua biblioteca com manuscritos inéditos e livros raros que coleccionou ao longo do tempo, regressa à Palestina. Instala-se com a sua família em Jerusalém. Durante os motins antijudaicos de 1929 a sua biblioteca é novamente destruída. Este episódio reflecte-se nas várias obras.

Em 1931, os seus livros começam a receber prémios e distinções nacionais e internacionais. Recebe por duas vezes o prémio Bialik e, também por duas vezes, o prémio Israel. Em 1966, ganha o Prémio Nobel da Literatura.

A sua fama atingiu proporções tais, que, depois de se ter queixado do barulho na rua que o impedia de se concentrar, as autoridades fecharam a rua ao trânsito e puseram um sinal respeitado por toda a população: «Proibida a circulação de veículos, escritor a trabalhar.»

Faleceu em Jerusalém, em 1970. Muitas das obras que deixou foram postumamente publicadas pela sua filha.
Sem informação.
Impresso em papel snowbright com certificado ambiental.

Se gostou deste livro também vai gostar de...

Venha construir esta editora connosco